domingo, 11 de agosto de 2013

VOCAÇÃO

O que é Vocação:

Vocação é um termo derivado do verbo no latim "vocare" que significa "chamar". A vocação é uma inclinação para exercer uma determinada profissão ou um talento (aptidão natural) para executar algo.
O sentido original expressa um chamado espiritual para que as pessoas sigam uma religião ou uma missão divina destinada a alguns cristãos para exercerem o sacerdócio. A vocação sacerdotal é vista como um chamado de Deus por aqueles que se sentem inclinados a exercerem o ministério paroquial.
A vocação profissional é formada por um conjunto de aptidões naturais e interesses específicos do indivíduo que o direcionam na escolha de uma profissão. O teste vocacional é um instrumento que pode auxiliar aqueles que estão indecisos sobre qual carreira profissional seguir.

O que é Vocação Profissional:

Vocação profissional é descobrir qual a profissão mais adequada ao perfil de cada indivíduo. Descobrir a vocação profissional de cada um é avaliar em quais profissões ele se encaixa melhor, de acordo com suas preferências, estilo de vida, e etc.
A vocação profissional é analisar em que profissão o indivíduo tem interesse, o que ele gosta de fazer, e o que ele não suporta. Descobrir a vocação de cada pessoa não é uma tarefa fácil, mas tem o objetivo de tornar aquele indivíduo em um futuro profissional realizado com o que faz e satisfeito com o tipo de vida que escolheu para viver.
Nos dias atuais, a descoberta da vocação profissional tem se tornado essencial, uma vez que é necessário direcionar a carreira das pessoas, para não correrem o risco de perderem tempo e dinheiro, se dedicando, fazendo cursos, por algo que eles não tenham interesse.
Para descobrir a vocação profissional de cada indivíduo, existem testes e exames que podem ser feitos, geralmente com a ajuda e suporte de psicólogos, que analisam o perfil de cada um, considerando diversos fatores, como características pessoas, personalidade, reações, objetivos, e etc.


Disponível em: http://www.significados.com.br.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

sábado, 4 de agosto de 2012

POLÍTICA E CIDADANIA

Estado Violência

Titãs

Sinto no meu corpo
A dor que angustia
A lei ao meu redor
A lei que eu não queria...
Estado Violência
Estado Hipocrisia
A lei não é minha
A lei que eu não queria...
Meu corpo não é meu
Meu coração é teu
Atrás de portas frias
O homem está só...
Homem em silêncio
Homem na prisão
Homem no escuro
Futuro da nação
Homem em silêncio
Homem na prisão
Homem no escuro
Futuro da nação...
Estado Violência
Deixem-me querer
Estado Violência
Deixem-me pensar
Estado Violência
Deixem-me sentir
Estado Violência
Deixem-me em paz...(3x)

domingo, 10 de junho de 2012

LIVROS SAGRADOS

 TAREFA PARA O DIA 19/06/2012
 Fazer no caderno

As tradições religiosas preservam seus ensinamentos e normas através de textos que são considerados sagrados. Atribui-se a eles uma origem divina através de um mensageiro, um iluminado ou um discípulo. Os textos são expressões da relação do humano com o divino. Neles há um forte apelo do Criador e das forças sobrenaturais para que o ser humano torne-se mais justo, compassivo, bom e santo.  O leitor sabe que, ao acolher os ensinamentos dos textos sagrados, pode tornar-se perfeito ou aproximar-se da divindade, dando maior sentido à sua existência.  Os livros sagrados revelam o desejo de transcendência presente nas culturas e povos das mais diferentes regiões do planeta nos diversos períodos da história.
São exemplos de escrituras sagradas: o Bhagavad-Gita do hinduísmo; a Torá do judaísmo; o Tri-Pitakas do budismo; o Novo Testamento do cristianismo e o Alcorão dos muçulmanos. Há muitos textos e saberes sagrados difundidos pelo globo, mas estes são os mais conhecidos e pela maior parte da população mundial.
A Torá original foi transmitida por Deus a Moisés, após ter permanecido 40 dias e 40 noites sem comer, dormir ou beber. A Torá foi ensinada ao povo e seu conteúdo foi compilado na íntegra, para que jamais fosse esquecido e permanecesse imutável, mesmo com a morte dos sábios que a transmitiram, de geração a geração. A Torá também é conhecida como Pentateuco, composta pelos cinco primeiros livros da bíblia.
  1. Quem preserva seus ensinamentos e normas através dos textos sagrados?
  2. Através de quem atribuiu aos textos uma origem divina?
  3. Qual apelo do Criador e das forças sobrenaturais há nos textos sagrados?
  4. O que revelam os livros sagrados?
  5. Cite 3 exemplos de escrituras sagradas.
  6. O que é Pentateuco?
  7. À quem Deus transmitiu a Torá?
  8. O que são os textos sagrados?
  9. O que o leitor sabe que ao acolher os ensinamentos dos textos sagrados?
  10. Qual o livro sagrado dos muçulmanos?
  11.  
  12. Disponível em: http://prhh.wordpress.com/2012/05/01/as-escrituras-sagradas-8a-serie/ 

domingo, 6 de maio de 2012

O QUE É UM SEMINÁRIO E COMO ELABORÁ-LO.


ž  O que é um seminário?
  • ž  Dinâmica de estudo em grupo a partir da proposição e da discussão de um tema; 
  •  O estudo envolve apresentadores e plateia;
  • Requer preparo prévio – coleta de material bibliográfico acerca do tema, leitura, redação e metodologia de apresentação oral.

ž  Qual a finalidade de um seminário?
  • ž  Aprofundar um tema;
  • ž  Propiciar o debate;
  • ž  Socializar o conhecimento;
  • ž  Despertar o interesse;
  • ž  Estimular a participação;
  • ž  Tornar o estudo aprazível.

ž  Como organizar um seminário?
  • ž   Eleição do coordenador (dirigir trabalhos) e secretário (garantir participação);
  • ž   Participação e comprometimento dos membros do grupo;
  • ž   Definição do tema e criação de uma estrutura de tópicos;
  • ž   Elaboração de um roteiro de trabalho;
  • ž  Adequação da abordagem ao tempo e ao público;
  • ž  Distribuição das tarefas entre os membros do grupo;
  • ž  Estipulação de prazo para o cumprimento das etapas do roteiro de trabalho;
  • ž  Disposição dos recursos necessários;
  • ž  Reunião de finalização e ensaio;
  • ž  Apresentação do seminário. 

ž  Quais as etapas de um seminário?
  • ž  Distribuição da programação à plateia (visão geral do seminário - apresentação dos tópicos, dos palestrantes e instituições) e do relatório ou do artigo à banca examinadora;
  • ž  Abertura do seminário com a apresentação do grupo e do tema (coordenador)
  • ž  Introdução: contextualização do tema e apresentação da estrutura de tópicos(coordenador – 3 a 4 minutos);
  • ž  Desenvolvimento: análise de cada tópico e o encadeamento lógico e coerente entre os mesmos (demais membros do grupo – 7 a 10 minutos);
  • ž  Conclusão – reflexão, síntese e ênfase nos pontos chave sobre tema (secretário – 5 a 6 minutos);
  • ž  Discussão – consolidação dos aspectos fundamentais a cerca do tema (plateia e grupo);

ž  Qual a forma da apresentação?
  • ž  Domínio do tema e do tópico (visão geral e do detalhe);
  • ž  Fala fluente e espontânea – sem leitura do texto ou exposição decorada;
  • ž   Durante a fala, voz alta com pronúncia clara das palavras;
  • ž   Exposição do assunto dentro de uma sequencia lógica;
  • ž  Priorização dos aspectos essências nos 5 minutos iniciais;
  • ž  Preparo do encadeamento para o próximo tópico;
  • ž   Controle sobre a postura corporal;
  • ž   Prevenir situações que desviam a atenção do público;
  • ž  Uso correto do tempo pré-estabelecido (média de 15 a 20 minutos).

ž  Qual é a postura ideal do palestrante?
  • ž   Colocar-se de pé;
  • ž   Variar o tom de voz;
  • ž   Optar por frases curtas;
  • ž   Deixar as mãos livres para que os gestos apareçam;
  • ž   Olhar para o público não apenas para uma pessoa da plateia;
  • ž   Deslocar-se lentamente dentro do espaço da apresentação;
  • ž   Ficar de frente para plateia – jamais de costas;
  • ž   Inclinar o queixo em 90º para facilitar a fala;
  • ž   Usar o vestuário correto;
  • ž   Evitar a gíria e as situações cômicas;
  • ž  Esboçar semblante que revele confiança e simpatia;

ž  Como o corpo se expressa – de forma negativa?
  • ž  Mãos nos bolsos: preciso me proteger;
  • ž   Mãos nos cabelos: tenho a intenção de seduzir ou preciso puxar as ideias- Rosto inclinado: estou com baixa estima e pouco preparado;
  • ž   Braços cruzados: estou sendo ameaçado;
  • ž  Pisar forte: estou inseguro;
  • ž  Sobrancelhas franzidas: estou preocupado e com dificuldades;
  • ž  Sorriso eterno: estou tentando enganar;
  • ž  Tosse fingida: preciso cair fora;
  • ž  Mão ajustando o colarinho: tenho dificuldade em lidar com a pressão;
  • ž  Gestos rápidos e mãos trêmulas: estou nervoso;
  • ž  Olhos fixos em uma pessoa: você é o meu predileto;
  • ž  Mão fechada atrás das costas: estou com raiva;
  • ž  Bater os dedos sobre a mesa: estou sem paciência;
  • ž  Bater os pés ritmicamente: estou irritado;
  • ž  Morder a boca: vou partir para agressão;
  • ž  Dar as costas à plateia: tenho desprezo por todos.

ž  Como o corpo se expressa – de forma positiva?
  • ž   Sorriso autêntico, confiante e oportuno: estou de bem com a vida;
  • ž  Calma frente a situações inesperadas: sou tolerante;
  • ž   Rosto erguido: estou confiante e acredito na minha capacidade;
  • ž   Palmas das mãos expostas: estou sendo sincero e não tenho nada a esconder;
  • ž   Pontas dos dedos unidas e mãos espalmadas: estou comprometido com a verdade;
  • ž   Olhar distribuído na plateia:  tenho respeito e consideração por todos.
ž Como desenvolver uma boa oratória?
  • ž   Praticando, praticando e praticando.
  • ž  Como apresentar um conteúdo?
  • ž  Apoiar-se 80% na fala e 20% no material áudio visual;
  • ž  Reconhecer os slides de apresentação como recuso e não finalidade;
  • ž  Expressar as ideias de forma clara e objetiva;
  • ž  Conceituar os termos chaves que compõem a ideia;
  • ž  Exemplificar sempre que possível;
  • ž  Usar mais a imagem do que o texto;
  • ž  Utilizar linguagem clara e simplificada;
  • ž  Racionalizar o uso dos elementos visuais – evitar a poluição visual;
  • ž  Combinar cor do fundo e dos elementos gráficos, e;
  • ž  Dimensionar o tamanho da fonte em função da distância do observador.
  • ž  Cuidar da ortografia;
  • ž  Editar a fonte no tamanho mínimo de 20;
  • ž  Usar no máximo dois tipos de fonte;
  • ž  Empregar o vocabulário adequado;
  • ž  Distribuir o tamanho da letra conforme a importância do conteúdo;
  • ž   Editar texto curto em letras maiúsculas e textos longos, em letras minúsculas;
  • ž  Inclinar o texto somente para cima em frases curtas;
  • ž  Compor as frases com seis a oito palavras;
  • ž  Incluir até 7 linhas por slides;
  • ž   Associar a imagem ao texto;
  • ž   Comunicar-se com a linguagem das cores;
  • ž   Harmonizar a cor da letra com a cor do fundo;
  • ž   Comedir-se nos efeitos especiais;
  • Evitar o uso de fotos como pano de fundo;
  • ž   Testar a legibilidade dos textos
  • ž   Ensaiar antes de apresentar;
  • ž  Calcular no máximo um slide por minuto de apresentação;
  • ž  Gravar a apresentação em pen – drive e em CD;
  • ž  Tentar abrir o arquivo depois de gravado.

            “Lembre-se  por melhor que seja uma apresentação, 
ela jamais irá dispensar do palestrante o domínio do 
conhecimento”. 

(Prof. Marco Antônio Abreu de Andrade, Eng. Agr,, M. Sc)
 
Fonte:
Autor:  Prof. Marco Antônio Abreu de      Andrade,   Eng. Agr,, M. Sc.
Título:  Guia de apresentação com os recursos do Microsoft Power Point.

TAREFA 


FAÇA UM RESUMO CRÍTICO DO TEXTO 
ACIMA E POSTE NO LINK COMENTÁRIO, OU ENVIE POR EMAIL, OU ENTREGUE POR ESCRITO.